sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

A CRIANÇA e os SEUS DIREITOS

Como um filho nunca é tido nem achado no acto do seu nascimento, tem por esta razão direitos acrescidos e tem que ser garantidos a qualquer custo…O casamento entre pessoas do mesmo sexo é um direito que lhes assiste e não tem por ser sufragado, mas o direito à adopção de crianças por esta união, terá que ficar subordinado ao direito da própria criança…Uma criança para o seu desenvolvimento equilibrado tem de ter como referência a união de um homem e uma mulher, caso contrário poderá sofrer danos na estrutura do seu desenvolvimento e poderá vir a engrossar o número de pessoas com dificuldades emocionais…A criança tem de ser educada para ser um adulto útil à sociedade…A Natureza por vezes pode andar “a descansar”, mas quando acorda é implacável…


autor do texto e da imagem “ vitral do Palace Hotel do Bussaco ”

9 comentários:

  1. De facto, um tema polémico.
    Gosto de vitrais. Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Este tema será sempre polémico.
    O respeito pela criança é que deverá ser preservado.

    ResponderEliminar
  3. É sempre um tema complicado.

    beijos

    sonhadora

    ResponderEliminar
  4. Nós pagamos aos políticos para resolver as dificuldades que são polémicas... À 30 anos os assuntos polémicos tem andado escondidos e os partidos politicos sabem que os números de votos é que determinam os montantes que cada um deles recebe do Estado...Este é que é o problema, onde a resolução das questões difíceis ficam na dependência das vantagens e das desvantagens dos politicos... Nesta morosidade perderam: as pessoas do mesmo sexo que procuravam ver no papel o direito legítimo ao casamento, o contribuinte que teve que pagar resmas de papel e de horas em deterimentos de outros assuntos relacionados com os 2 milhões de pobres e os 600 mil desempregados e as crianças que ficam nas mãos dos adultos politicos e das suas conveniências...Ganharam os meios de comunicação social e seus comentadores...Não podemos ter medo de procurar resolver o que é difícil porque temos responsabilidades e obrigações para com aqueles que são mais vulneráveis...Voltarei quando entender oportuno à polémica com um novo post.

    ResponderEliminar
  5. aiii ki medo Helena Rocha rsrsr....
    vc ta certúuu esperu ki tenha mi entendi eu naum kizzz te ofender naum em
    diskulpa alguma koisa

    bjússssssssssssssssss millllllllllll
    Lena

    ResponderEliminar
  6. Concordo com o teu comentário.
    Não me alongo num espaço que não seja meu. Posso dizer asneiras que não ficam bem aqui.
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Não comento este assunto, para mais até que sou contra esta lei.

    Manuela

    ResponderEliminar
  8. Olá!
    Escrevi sobre este assunto no meu blogue mortalerosa.blogspot.com
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Se me permites uma pequena correcção, penso e acredito que antes que tudo, uma criança dele ser educada para ser amada incondicionalmente com o recíproco sentimento dos seus educadores. Desta forma será com toda a certeza um ADULTO feliz, de bem consigo e, consequentemente, apto a ser útil á sociedade.Beijinhos. M.Lourdes
    Gostei do teu blog

    ResponderEliminar